sábado, 26 de novembro de 2011

Julgando pecadores



Sejais santos, porque eu sou santo. Levítico 11:45

Levítico 11:45 é um trecho muito usado quando o assunto é santidade e isso se dá ao fato de algumas pessoas o classificarem como auto explicativo, um trecho que por si só já diz tudo. Mas sem querer parecer o dono da verdade, quero expressar minha humilde opinião sobre o texto e por consequência sobre a tão falada e desejada santidade.

Me preocupo e muito com a utopia da santidade, com essa idéia de perfeição, de que ser santo é não ter do que se acusar e ser separado de tudo e por consequência de todos, ou pelo menos daqueles que não são tão santos quantos nós.

E ai eu pergunto seria Deus o parâmetro da santidade?
Acredito que na opinião da maioria a resposta é sim, Deus é o parâmetro da santidade, ele é aquele que deve ser imitado.
Mas você se lembra do que aconteceu com o ultimo que tentou se colocar no mesmo patamar de Deus ele literalmente caiu, foi expulso do céu e levou com ele a terça parte dos anjos.

Colocar-me no mesmo patamar de Deus é a maneira mais rápida e fácil de cair, e ainda levar algumas pessoas comigo. Quantas vezes você já viu alguém se considerar tão santo ao ponto de achar que assim como um deus tem o direito de julgar os outros, e quantas vezes você já viu alguém enfraquecido na fé porque fulano ou beltrano que era tão santo, tão de Deus e cometeu uma falha?

Se olharmos a história do Apostolo Paulo vamos perceber que a santidade não foi o caminho que ele percorreu para chegar até a Deus, mas sim o caminho que ele percorreu após se encontrar com Deus e por isso Paulo escreve em sua primeira carta aos Coríntios que eles deveriam imitá-lo como ele imitava a Cristo, mas se novamente olharmos para história dele vamos ver que mesmo depois de seu encontro com Deus ele cometeu algumas falhas, como ele mesmo confessa  em sua carta aos Romanos quando diz que não faz o bem que deseja, mais faz o mal que não deseja.

E como pode um pecador se dizer imitador de Cristo, e ainda se dizer digno de ser imitado?

Jesus nunca pecou, mas conviveu com pecado e com os pecadores  e a sua santidade não foi medida pelas roupas que ele usava, pelas pessoas com quem andava, pela maneira como falava, pelos lugares por onde passava, a santidade de Jesus foi medida pela relação dele com o Pai, pelo amor que ele tinha pelas pessoas, e pela capacidade dele de influenciar e não de ser influenciado.
Paulo disse imitar Cristo, porque entendeu que ser santo é se aproximar de Deus, por reconhecer que convivia com o pecado incluindo os dele e também com os pecadores ao qual ele mesmo se julgou ser o maior.

Santidade é o estado do todo pecador que vive sem culpa porque creu na graça de Deus.

O nosso Deus que nos ama perdoa todos nossos pecados e nós? Nunca perdoaremos as falhas de nossos irmãos ?

Enquanto carregarmos está carne fétida nunca chegaremos ao patamar da santidade de Cristo, mas tenho a certa convicção de que em breve teremos um corpo glorificado e santo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário